“McDonald’s um negócio imobiliário bilionário”

Saiba qual o sentido dessa frase e como isso se tornou realidade em uma das redes de fastfood mais famosas do mundo.

Tudo começou em 1950, nessa época, Ray Kroc, CEO do McDonald’s, passava pelo dilema de não encontrar franqueados que tivessem dinheiro suficiente para investir no terreno e na contrução do restaurante.

Foi então que Harry Sonnerboard (que futuramente se torna presidente do McDonald’s) teve a ideia de comprar os terrenos e construir as lojas – alugando o terreno diretamente para o franqueado com tudo pronto para ele trabalhar.

Como o aluguel era pago com a própria receita gerada pelo restaurante, o negócio era interessante para ambas as partes. Pois de um lado, o franqueado tinha a oportunidade de empreender em um negócio já consolidado e do outro lado, para o McDonald’s, havia a oportunidade de se tornar cada vez mais presente no mundo todo, enquanto todos os gastos com a manutenção das redes ficavam a cargo dos franqueados.

Todos lucravam com o negócio. Essa ideia deu tão certo que hoje mais de 80% das lojas do McDonald’s são franquias.

O próprio Sonnerboard descrevia o McDonald’s como um negócio imobiliário que vende hambúrgueres para que os locatários possam pagar pelos imóveis.

Somente com os aluguéis dos imóveis, a empresa recebeu, em 2014, cerca de US$ 6,10 bilhões de dólares, que era uma quantia maior do que o lucro total da empresa (US$ 4,75 bilhões).

Atualmente, o McDonald’s possui equipes inteiramente dedicadas à parte imobiliária, responsáveis por monitorar constantemente o mercado de imóveis e, assim, auxiliar na tomada de decisões.

Isso porque foi justamente esse investimento imobiliário que fez o McDonald’s a potência que ele é hoje.

Esse conteúdo foi criado pelo site Escola de Investidores, onde mostram exemplos de como um pequeno investimento pode movimentar uma fortuna com poucos passos. O investimento imobiliário é apontado como o mais seguro do momento.

Nos acompanhe no Instagram: @montreal_fpolis