Ao pensar em adquirir um imóvel, devemos definir como iremos pagá-lo. Uma das opções, a mais utilizada por nós brasileiros, é o financiamento. E isso nada mais é do que pagar uma entrada pelo imóvel e, para o restante do valor, solicitar um empréstimo para pagar parcelado, com juros, por um tempo pré determinado.

No nosso país, são utilizadas duas principais modalidades de financiamento imobiliário, que vamos te apresentar a seguir.

Sistema Financeiro Habitacional (SFH)

Um financiamento através do SFH, deve conter as seguintes características:

  • A compra deve ser feita exclusivamente por pessoa física;

  • o valor máximo de avaliação do imóvel deve ser de R$950 mil para Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e Distrito Federal. Nos demais estados, como Santa Catarina, o valor é de R$800 mil;

  • a taxa de juros pode ser de, no máximo, 12% ao ano.

  • a parcela não pode comprometer mais do que 30% da renda mensal do contratante;

  • o prazo de quitação da dívida é de até 35 anos (420 meses);

  • o percentual do valor máximo a ser financiado é de 70% para móveis usados e de 80% para unidades novas.

Desenvolvida pelo Governo Federal, essa modalidade é garantida pelos recursos que o comprador tem no Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) ou no Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimos (SBPE).

Esse sistema foi criado através da Lei 4.380/64 e é o responsável pela maioria dos financiamentos imobiliários que acontecem no Brasil. Nele, ainda existe um desconto de 50% no registro e na escritura em casos de primeiro imóvel do comprador.

Sistema Financeiro Imobiliário (SFI)

Também criado pelo Governo Federal, esse sistema supre as carências do SFH. Portanto, nesta modalidade, são atendidos os casos com imóveis de valores maiores que R$ 950 mil para Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e Distrito Federal, e maiores que R$ 800 mil para os demais estados do país, como Santa Catarina. Por causa dos altos valores, no SFI há um risco maior, que reflete em taxas de juros maiores.

Esse sistema também tem características particulares, que são:

  • O valor de concessão de financiamento varia entre 80% e 90% do valor do imóvel;

  • A compra pode ser feita por pessoa física ou jurídica;

  • O recurso é proveniente do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimos (SBPE);

  • A taxa de juros é variável;

  • Não há limite de renda comprometida.